Como resumir o que é CrossFit de uma maneira didática, para que mesmo quem nunca ouviu falar entenda? Falando sobre os pilares que sustentam todo o propósito do esporte! Veja quais são os três pilares do CrossFit e como eles trabalham juntos para tornar seu corpo mais eficiente.

O propósito do CrossFit

Quando falamos em CrossFit, muitas pessoas imaginam homens e mulheres sarados, levantando três vezes o peso do corpo em exercícios parecidos com os da musculação. Porém, quem pratica sabe: essa imagem não representa nem 10% do que o esporte realmente é. Talvez nem 5%.

A maior prova disso? Greg Glassman, americano que criou o CrossFit, começou a se exercitar para vencer as sequelas de uma poliomielite que teve na infância. Muitos dos exercícios do CrossFit são baseados em movimentos que ele sentiu falta nas academias tradicionais. Elas não atendiam a todas as necessidades do seu corpo.

Costumamos dizer que o CrossFit é um esporte democrático. O CrossFit pode ser praticado por quase todo mundo: pessoas em busca de emagrecimento, simpatizantes da vida fitness, crianças. Atletas dos mais variados esportes e profissionais que necessitam de alto condicionamento físico – como bombeiros e policiais – frequentemente escolhem o CrossFit como treino complementar.

Porque o CrossFit é muito mais que exercícios de força e definição corporal. Ele aperfeiçoa nosso metabolismo, testa nossas funções corporais, “lubrifica” articulações e reflexos. CrossFit é uma manutenção diária da máquina que é o corpo humano.

Entender seus principais pilares é o primeiro passo para compreender todos os benefícios do CrossFit.

Os três pilares do CrossFit

Funcionalidade

O CrossFit não exige do seu corpo nada que ele não possa fazer.

Muitas pessoas “pulam” da cama para o banco do carro, do banco para a cadeira do escritório, da cadeira para o sofá e do sofá para a cama novamente todos os dias. Não é necessário nem levantar para ligar a TV. Além do sedentarismo, observa quão pouco essa rotina exige do corpo? Temos potencial para muito mais.

Os exercícios do CrossFit se baseiam em movimentos funcionais, que nascemos capazes de realizar, mas talvez tenhamos deixado de exercitar com o passar dos anos. Um bebê aprende a escalar, puxar, empurrar, pular e correr antes dos primeiros três anos de vida. E o que é um burpee? Agachamento – flexão – salto. Nada além disso.

Parece simples – e é – mas os músculos e articulações que o exercício movimenta são quase incontáveis. Fora a coordenação, concentração e agilidade necessárias. Quando respirar? Como conhecer seu limite? O que você precisa fazer para ultrapassar o próprio recorde de repetições?

O CrossFit evidencia quão complexo e perfeito nosso corpo é, e busca aperfeiçoar seu funcionamento cada vez mais – até para que não nos tornemos obsoletos.

Dinamismo

Tédio, rotina e lentidão não fazem parte do CrossFit.

Embora a repetição seja uma característica dos treinos, cada dia é diferente do outro, por vários motivos: a agitação do box, a interação com colegas de treino, a competitividade amigável, a sua própria capacidade de se superar e estabelecer novos limites.

Fora a gama de exercícios que você pode realizar. Levantamento de Peso Olímpico, ginástica e treinos aeróbicos se combinam para abraçar vários mecanismos diferentes, otimizando o funcionamento do corpo como um todo. Cansou de um workout? Opções não vão faltar.

Intensidade

Este pilar é sobre superação. Sobre não se acomodar, mas saber que pode mais. Parece subjetivo, mas também é sobre autoconfiança, empoderamento, de realização pessoal.

É a alta intensidade característica do CrossFit que promove o aceleramento metabólico, a melhora dos sistemas respiratório e cardiovascular, além de uma grande queima energética (que continua mesmo após os treinos, efeito conhecido como After Burn).

Quanto mais intenso o treino, mais adrenalina o cérebro injeta no corpo, mais endorfina libera. Aí vem a sensação de bem-estar.

Os níveis de endorfina no corpo são menos significativos em treinos de intensidade leve a moderada – e eles não existem no CrossFit. Aqui é só pauleira, e os benefícios vem em proporção igual.

Como o CrossFit torna seu corpo mais eficiente

A ação conjunta desses três pilares é a receita para o condicionamento completo.

Mas o que significa “condicionamento completo”, exatamente? Significa não focar apenas na força, como na musculação, ou o sistema cardiovascular, como nos exercícios aeróbicos. O CrossFit aprimora o corpo como um todo, preparando-o para o dia a dia, para a longevidade, para a vida.

A lista de benefícios é extensa, mas, com base nesses três pilares, podemos destacar:

  • Aprimoramento das funções naturais do corpo (puxar, empurrar, subir, descer, pular, correr etc.);
  • Força, potência, resistência;
  • Agilidade, coordenação, equilíbrio, flexibilidade;
  • Concentração, precisão, velocidade de raciocínio;
  • Melhora no sistema cardiovascular e respiratório;
  • Melhora na atividade metabólica;
  • Sensação de bem-estar;
  • Autoconhecimento (nos força a reconhecer limites e o que fazer para superá-los).

Em resumo, o CrossFit traz benefícios físicos, mentais e emocionais. Condicionamento completo.

Viu só? Da próxima vez que alguém perguntar qual a diferença entre o CrossFit e outros exercícios de condicionamento, você já sabe como resumir. Quem sabe até convencer alguém do quanto uns burpees fazem bem pra alma! 😉

Conhecia todos os três pilares do CrossFit? Essa era a imagem que você tinha do esporte? Ficou interessado em praticar (caso nunca tenha experimentado)? Tem mais alguma dúvida? Deixe aqui pra gente!